Uma pesquisa brasileira publicada no Jornal of Periodontology revelou que a periodontite aumenta em até quatro vezes o risco de uma pessoa  ter níveis de triglicerídeos no sangue maior do que o tolerado. Esse estudo aponta que os pacientes com periodontite crônica têm níveis elevados de LDL (colesterol “ruim”) e  diminuição dos níveis de HDL (colesterol “bom”), o que aumenta os riscos de desenvolvimento de aterosclerose.

O que é periodontite?

A  periodontite é uma doença infecto contagiosa, causada por bactérias e transmitida entre pessoas que as possuem. A doença periodontal é a evolução da gengivite, porém ao contrário desta, seus efeitos são irreversíveis. A gengivite caracteriza-se por uma inflamação reversível  da gengiva que acontece devido ao acúmulo de biofilme dental (“placa”)  após um período de pelo menos 7 dias sem a correta higienização dos dentes. Com uma correta escovação e/ou limpeza é possível remover esse biofilme e a gengiva voltar a sua condição de saúde.

Caso a gengivite não se resolva e ocorram outros fatores para o desenvolvimento da doença, a inflamação gengival passa aos tecidos periodontais, causando a periodontite. 

Os tecidos periodontais são os responsáveis pela fixação dos dentes nos maxilares e, sem eles, o dente acaba perdendo sua sustentação. A perda dessa sustentação origina um dos maiores sinais da doença perodontal que é a mobilidade dental (“dentes moles”).

Além de deixar sequelas bucais, a periodontite também vem sendo relacionada com desenvolvimento de endocardite bacteriana, partos prematuros e óbitos neonatais associados a sepsis do recém nascido. 

O que é aterosclerose?

Aterosclerose é a doença inflamatória crônica na qual ocorre a formação de ateromas dentro dos vasos sanguíneos. Os ateromas são placas, compostas especialmente por lipídeos (triglicerídeos) e tecido fibroso, que se formam na parede dos vasos. Levam progressivamente à diminuição do diâmetro do vaso, podendo chegar a obstrução total do mesmo. A aterosclerose em geral é fatal quando afeta as artérias do coração (infarto) ou do cérebro (acidente vascular cerebral – AVC).

Em 1992, apenas nos Estados Unidos, ela foi responsável por quase 1 milhão de mortes – duas vezes mais que o câncer e dez vezes mais que acidentes. Apesar dos importantes avanços da medicina, a doença arterial coronariana (a qual é decorrente da aterosclerose e causa do infarto do miocárdio) e o acidente vascular cerebral aterosclerótico são responsáveis por mais mortes que todas as demais causas combinadas.

 

 

A mucosite ocorre com freqüência em pacientes submetidos ao tratamento oncológico para os diversos tipos de tumores do trato gastrointestinal (boca, estomago, cólon, reto, etc) e leucemias. Os de maior risco são aqueles submetidos ao transplante de medula óssea. Algumas condições orais podem ser consideradas de risco para complicações infecciosas como: cálculos salivares, raízes residuais, abscessos periapicais crônicos, dentes cariados, restaurações infiltradas, doença periodontal e aparelhos protéticos. Colonização bacteriana e fúngica de cálculos dentais, placa bacteriana, polpa dental, restos radiculares, bolsas periodontais, lesões de periápice e próteses removíveis constituem um reservatório de organismos patogênicos e oportunistas que podem desencadear infecções durante episódios de imunossupressão ou neutropenia.

A mucosite é uma reação tóxica inflamatória que afeta o trato gastrintestinal da boca ao ânus, que pode ocorrer por exposição a agentes quimioterápicos (quimioterapia) ou radiação ionizante (radioterapia). Na cavidade oral esta toxicidade sobre as células epiteliais, levam à descamação em função do atrito presente na boca. Como a reposição celular está comprometida devido ao tratamento oncológico, ocorre exposição do tecido conjuntivo subjacente, aonde se localizam  vasos sanguíneos, vasos linfáticos e feixes nervosos; desencadeando dor intensa, ulcerações, dificuldade de alimentação e fala. Estas complicações exigem um uso de maior quantidade de antibióticos, aumento do período de internação e aumento do risco de bacteremia, ou seja, infecções. Na presença de neutropenia, a mucosite severa também pode predispor os pacientes à septicemia. A mucosite severa parece estar associada a um aumento da incidência de bacteremia e mortalidade. A associação da mucosite com a bacteremia mostra a importância da boca como sentinela para mudanças clínicas em outros órgãos.

A presença do Cirurgião Dentista no preparo do paciente para o tratamento oncológico, bem como sua colaboração no diagnóstico precoce e correto das manifestações orais, podem contribuir positivamente para o sucesso do tratamento multidisciplinar do paciente oncológico.

Como saber se estou com mucosite?

Os sinais e sintomas mais precoces da mucosite oral incluem eritema(vermelhidão) e edema (inchaço), sensação de queimação, e um aumento da sensibilidade a alimentos quentes e condimentados. A mucosite inicia-se de 2 a 10 dias após a quimioterapia.  

Clinicamente a mucosite apresenta-se como um eritema, ardência bucal, lesões ulcerativas (feridas) às vezes sangrantes, comprometendo principalmente lábios, língua, mucosas, gengivas, garganta, qualidade da saliva e da voz, dor, dificuldade em deglutir, incapacidade de se alimentar. Esses sintomas  podem desencadear alterações psicosociais como depressão e estresse tornando os pacientes mais vulneráveis a efeitos adversos como ansiedade e necessidade de terapia com morfina durante o tratamento.

Ocorre em 75% a 100% nos casos de transplante de medula óssea e leucemias. Na maioria delas apresenta-se da forma mais grave.

Quem pode ter mucosite?

A mucosite é mais comum nos pacientes que necessitam de trasplante de medula óssea. Ocorre também nos tratamentos oncológicos que necessitam de altas doses de quimioterapia como os tumores do aparelho digestivo (da boca ao ânus, por exemplo estômago e cólon), leucemias e câncer na  região de cabeça e pescoço com indicação de radioterapia.

A dose e o tipo de quimioterápico são considerados. Alguns possuem maior maior capacidade de desencadear a mucosite. São elas:

- Bleomicina,

- Citarabina,

- Methotrexate,

- Fluorouracil,

- Floxuridina,

- Hydroxiurea,

- Vinblastina

- Vincristina,

- Etoposide ,

- Melfalan,

- Bussulfano + Ciclofosfamida.

Como prevenir a mucosite oral?

Assim que você recebe o diagnóstico de câncer, a primeira coisa a fazer é perguntar sobre o tratamento:

- quimioterapia: quantas sessões, que drogas serão utilizadas, tempo de tratamento;

- radioterapia: qual área será irradiada, dose total, número de sessões;

- cirurgia: cuidados pós operatórios.

Se recebeu o diagnóstico de leucemia, câncer de cabeça e pescoço ou no aparelho digestivo; a primeira coisa a fazer após falar com um oncologista sobre o seu tratamento é procurar um cirurgião dentista. Dê preferência àqueles que já trataram pacientes oncológicos, já que necessitamos de um profissional especializado.

Esse profissional fará uma avaliação da saúde bucal: presença de cárie, doença periodontal, tártaro, etc. Nessa fase é importante realizar uma radiografia panorâmica para verificar a presença de focos infecciosos. Após a eliminação de todos os focos infecciosos tem que haver uma recomendação de higienização e cuidados bucais gerais durante o tratamento oncológico.

Se achar necessário este profissional poderá, também, indicar a aplicação preventiva de laserterapia. Isso é, sessão de laserterapia antes das aplicações de quimioterapia. Essas sessões diminuem a incidência e a gravidade da mucosite.

Estou com mucosite. E agora?

Infelizmente ainda não existe um tratamento efetivo para a mucosite. O que podemos fazer é somente diminuir os danos. Medicamentos contra a dor podem auxiliar e esta é a forma mais comum das instituições (hospitais, clínicas, etc) cuidarem do problema. Porém, nessa fase a laserterapia também pode ser utilizada com o objetivo de analgesia (diminuição da dor) e para diminuir a inflamação. Os resultados são melhores do que quando usamos somente medicamentos, e com a vantagem de não causar nenhum efeito colateral.

O acompanhamento de um cirurgião dentista é muito importante nessa fase, pois esse terá que indicar maneiras para uma higienização bucal que não cause um trauma maior mas que previnam a contaminação das feridas ocasionadas na mucosite. A contaminação dessas feridas pode causar uma infecção maior em qualquer parte do organismo, gerando febre e, em último caso, septicemia.

Caso deseje mais informações sobre o diagnóstico e tratamento para mucosite, queira por gentileza entrar em contato com a Dra. Camila.